PF deflagra operação de combate a fraudes em empréstimos na capital e Lagoa Santa

Quadrilha cometia crimes financeiros contra a administração pública, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro em Minas

Fernanda Penna Borges - Estado de Minas

A Polícia Federal (PF) está a caça de uma organização criminosa composta por administradores, empregados e colaboradores de uma empresa de empréstimos consignados que agia na capital mineira e em Lagoa Santa, na Região Metropolitana. De acordo com as investigações, as fraudes eram aplicadas por meio da empresa Filadélphia Empréstimos Consignados Ltda e demais empresas coligadas e a maior parte dos clientes é de militares da Aeronáutica.

Na manhã desta terça-feira, os policiais cumprem 86 mandados, sendo oito de prisão temporária, dezoito de busca e apreensão, vinte mandados de arresto de bens imóveis, quarenta mandados de arresto de veículos, bloqueio de contas bancárias em vários pontos de Belo Horizonte e Lagoa Santa. A investigação tem o conhecimento e a colaboração do Comando da Aeronáutica e da Superintendência de Segurança da Caixa Econômica Federal em Brasília (SUSEG).  

De acordo com a PF, foram coletados vários indícios de que a organização criminosa investigada estaria captando recursos de terceiros e os remunerando com valores acima dos praticados pelo mercado, emprestando dinheiro a juros e operando no ramo de seguros automotivos sem autorização do Banco Central do Brasil, da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

Também estão sendo apurados a contratação de financiamentos irregulares, mediante fraudes e pagamento de vantagens indevidas, em detrimento do patrimônio da Caixa Econômica Federal e de outras instituições financeiras privadas, além de outros crimes como sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.
Segundo a PF, os investigados responderão por estelionato, formação de quadrilha, falsidade documental, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, e outros crimes contra o Sistema Financeiro Nacional. As penas, somadas, podem chegar a até 90 anos de prisão. 

O balanço final da operação será divulgado às 10h30 pela Polícia Federal.