Segurança debate carga horária exaustiva na PM

Policiais e bombeiros militares do Espírito Santo marcaram presença na reunião da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa (Ales) desta segunda-feira (5). Na oportunidade, foi lido o ofício do 4º Batalhão da Polícia Militar, localizado em Vila Velha, com mais de 200 assinaturas questionando a exaustiva carga horária.
O diretor da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e dos Bombeiros Militares do Estado, Flavio Gava, considerou a escala estressante.
“Há pouca gente para cobrir muitos lugares. Mas a falta de efetivo não pode ser justificativa, porque nós que estamos na ativa pagamos com nossa saúde e até com a vida”, desabafou. O deputado Da Vitoria (PDT), membro efetivo da Comissão e policial militar de carreira, ressaltou a necessidade de se discutir o assunto com o Poder Executivo, uma vez que já existe Indicação Legislativa de sua autoria neste sentido, reiterada pela Comissão de Segurança e aprovada em Plenário.
“O governador do Estado já tem essa Indicação em mãos, que trata da escala de serviços desses profissionais e cria o banco de horas para pagamento das extras. Vamos fazer encaminhamento desse ofício para que isso seja colocado em prática. A PM cumpre seu papel, mas precisa ser valorizada”, disse Da Vitoria.
O presidente da Comissão, deputado Gilsinho Lopes (PR), concordou com o colega parlamentar. “Estou de pleno acordo com o que é justo e honesto, sei das horas extras e a situação é semelhante na Polícia Civil. Estamos aqui para deliberar sobre as demandas que chegam à Comissão, encaminhá-las aos responsáveis e cobrar ação”


O formulário para comentários é publico, portanto seu conteúdo é de responsabilidade daqueles que postam. Os comentários aqui postados serão, assim que publicados, avaliados pelo administrador e se constatado de conteúdo impróprio ou que ofenda a moralidade ou os bons costumes será excluído.
Att,
Polícia PELA ORDEM

Emoticon