Destaques do Jornal Estado de Minas


Famílias de vítimas amargam dificuldade na punição de crimes no trânsitoDepois da dor de perder parentes em acidentes, famílias descobrem o quanto é difícil conseguir punição de responsáveis, a maioria viajantes em trânsito pela região do desastre. Processos dependem de outras comarcaS e, quando chegam ao fim, levam anos

Maurício Lara - Estado de Minas
Publicação: 11/09/2011 07:02 Atualização: 11/09/2011 07:16
Veículo destruído por bobina de aço na BR-381: autoridades consideram que condições da rodovia são responsáveis por muitos desastres (Renato Weil/EM/D.A Press. Brasil 24/02/2010)
Veículo destruído por bobina de aço na BR-381: autoridades consideram que condições da rodovia são responsáveis por muitos desastres
Em seus 76 anos, a cozinheira Helena Coelho Fidélis teve 18 filhos. Três, perdeu atropelados, todos na BR-040, nas imediações do trevo de acesso à comunidade de Buarque de Macedo, em Conselheiro Lafaiete, Região Central do estado, onde a família vive. A primeira foi Roseli, “uma moça lindona”, como define a mãe. Talvez até como um mecanismo de defesa, dona Helena tem dificuldade de lembrar a data. Mas sabe que sua menina partiu aos 22 anos. O segundo foi José Luiz. Esse ela recorda que se foi em 2005. Quando parecia já não caber mais tristeza na casa humilde, na beira da linha do trem, veio outro baque. Naquele mesmo ano, poucos meses depois, morreu o terceiro integrante da família. Paulo Roberto Fidélis foi levado pela rodovia aos 44 anos. A mãe nunca recebeu nada além dos corpos para enterrar. Para ela, ficou a dor interminável de quem nem sequer foi informado sobre a culpa nos acidentes e menos ainda teve direito a qualquer tipo de indenização. A cozinheira não está sozinha: compõe um grande mas silencioso grupo de pessoas que nunca souberam quem levou a vida de seus parentes em alguns dos milhares de desastres que acontecem a cada ano no estado de maior malha rodoviária do país.

Homem de 61 anos é preso suspeito de abusar sexualmente de criança de 5 anosMãe da criança flagrou o homem tentanto estuprar a filha e chamou a polícia


Um homem de 61 anos foi preso no fim da tarde deste sábado suspeito de abusar sexualmente de uma criança de 5 anos de idade em Jaboticatubas, na Grande BH. Ele foi denunciado pela mãe da menina, que flagrou o ato.

De acordo com o soldado Paulo Roberto Mantini, da 150ª Companhia do 35º Batalhão da Polícia Militar, lotado no 2º Pelotão de Jaboticatubas, o suspeito é padrasto do companheiro da mãe da criança. “Ela deixou a filha na casa da sogra e ao chegar lá encontrou a mulher dormindo e quando foi até o quarto viu o homem deitado sobre o corpo da menina, fazendo movimentos sexuais e beijando a boca dela. Os dois estavam completamente nus”, conta.

A mãe contou aos policiais que se descontrolou e tentou agredir o homem, que se equivou. O suspeito negou que tivesse cometido qualquer abuso contra a menina, mas não convenceu os policiais. “A menina relatou, chorando sem parar, que ele beijou a boca dela à força e que não é a primeira vez que faz isso. Se recusando a contar detalhes, ela confirmou a versão da mãe de que ele esfregou os órgãos genitais contra o dela”, relata o soldado Mantini.

Ainda segundo o policial, a mãe da menina afirmou que quando a filha era bebê flagrou o mesmo homem acariciando o órgão genital dela sobre a fralda. “Ela diz que chamou a polícia na época, mas não sabe informar se foi feito registro policial do caso”, acrescenta.

O suspeito foi levado para a delegacia junto com a mãe, que registrou queixa contra ele. De lá a menina seria levada para um hospital para ser examinada. Inicialmente foi descartada a possibilidade de que ele tenha efetivado o estupro, o que será confirmado por análise pericial.


Jovem é assassinado ao sair de festa familiar em Santa LuziaRapaz de 19 anos foi atingido por três tiros e não resistiu aos ferimentos

Publicação: 11/09/2011 09:38
Um jovem de 19 anos foi assassinado na madrugada deste domingo pouco depois de sair de uma festa na casa de familiares em Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte. Marcos Rodrigues Silva foi atingido por três tiros e chegou a ser socorrido em um hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com a Polícia Militar, Marcos estava em uma festa familiar no Bairro Londrina. Parentes afirmaram que ele deixou o lugar por volta das 3h e, momentos depois, foram informados de que ele havia sido baleado.

Marcos foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e levado ao Pronto Atendimento do Bairro São Benedito, onde morreu pouco depois de dar entrada. A polícia não tem pistas de possíveis autores do crime, cujo motivo também é desconhecido.


O formulário para comentários é publico, portanto seu conteúdo é de responsabilidade daqueles que postam. Os comentários aqui postados serão, assim que publicados, avaliados pelo administrador e se constatado de conteúdo impróprio ou que ofenda a moralidade ou os bons costumes será excluído.
Att,
Polícia PELA ORDEM

Emoticon