Festas onde menores podem beber e participar de orgias são comuns em BH

Na última sexta-feira, 109 adolescentes foram apreendidos no evento chamado American Pie. Para a surpresa de muitos pais, a Vara da Infância e Juventude afirma que as festas são comuns na capital



Anúncio da festa realizada, em BH, na última sexta-feira (Reprodução Internet)
Anúncio da festa realizada, em BH, na última sexta-feira
Música alta, strip tease, vodca com energético e mais de 300 jovens e adolescentes. Esse foi o cenário encontrado pela Vara da Infância e Juventude de Minas Gerais numa festa, na última sexta-feira, onde mais de 100 menores de idade foram flagrados. A divulgação do evento "American Pie" prometia bebida liberada e até um campeonato de orgia. A festa aconteceu numa casa de eventos na Avenida Raja Gabaglia, no Bairro Santa Lúcia, Região Centro-Sul da capital. Desconfiados, pais denunciaram a festa ao Conselho Tutelar que montou uma fiscalização no local do evento.

Segundo a Comissária da Vara da Infância e Juventude de Minas Gerais, Denise Pires Costa, no local foram encontrados 109 menores. Ao chegar no salão de festa a equipe de fiscalização pediu que o som fosse desligado e exigiu a carteira de identidade dos participantes. A comissão flagrou jovens tirando a roupa em público e muitos menores consumindo vodca. A organizadora do evento, uma mulher, de 36 anos, se apresentou aos comissários e tentou alegar que a festa era particular, em comemoração ao aniversário do filho dela. Porém, houve venda de ingressos para o evento em praças de alimentação de shoppings da Zona Sul de BH. Os convites antecipados eram vendidos a R$ 30 e na porta do evento custavam R$ 50. Por isso, segundo Costa, o evento se tornou público. Depois do flagrante, os menores ficaram sob a guarda da equipe até a chegada dos pais.

Na internet, a organizadora usa o codinome Cristiane F. Ela anuncia a venda de ingressos para a "American Pie" e convida os jovens para participar do evento. Segundo Costa, a promoter faz muitas festas em BH e já foi denunciada ao Conselho Tutelar em outras oportunidades. Quando se apresentou à comissão durante a abordagem, a promoter deixou uma carteira de habilitação com os fiscais, mas logo depois desapareceu. Conforme a comissária, ela fugiu sem pagar garçons e seguranças da festa, causando revolta nos funcionários.

Para a surpresa de muitos pais, Denise Pires Costa afirma que esse tipo de abordagem é muito comum. “Todo dia tem festas desse tipo em sítios e salões, principalmente na Região da Pampulha”, afirma Costa. A comissária cita outra festa onde 30 menores foram apreendidos numa casa, no Bairro Santa Branca. No último domingo, a equipe do Conselho Tutelar recebeu denúncias de vizinhos. No local, a mesma cena: muita bebida e muitos adolescentes.

Infração

Segundo Costa, a organizadora do evento vai responder por duas infrações administrativas. A primeira delas por não possuir alvará para realizar festas com a presença de menores e a segunda por vender bebida alcoólica para esses jovens. A dona do codinome Cristiane F. só poderá ser acionada criminalmente caso os pais desse adolescentes denunciem na polícia crimes contra os filhos. A comissária Denise Pires Costa vai pedir a apuração de conduta irregular nas festas organizadas por Cristiane F.

Fonte: site do Jornal Estado de Minas


O formulário para comentários é publico, portanto seu conteúdo é de responsabilidade daqueles que postam. Os comentários aqui postados serão, assim que publicados, avaliados pelo administrador e se constatado de conteúdo impróprio ou que ofenda a moralidade ou os bons costumes será excluído.
Att,
Polícia PELA ORDEM

Emoticon