Protestos sobre propostas do governo

Protestos de três categorias profissionais por melhores salários transformaram o já complicado trânsito do Centro de Belo Horizonte em um verdadeiro caos


EMMANUELPINHEIRO
protesto no centro
Policiais civis, militares, bombeiros e professores fecharam o trânsito na Praça 7


A quarta-feira (8) em Belo Horizonte foi marcada por manifestações, protestos, impasses e caos no trânsito. Mais de 12 mil policiais civis, militares, delegados, agentes penitenciários e servidores da rede estadual de Educação decidiram fazer assembleias para cobrar aumento de salário e melhoria nas condições de trabalho.

Os policiais militares e bombeiros aceitaram a proposta oferecida pelo Governo estadual, mas o impasse entre os policiais civis e delegados continua. Eles rejeitaram a proposta de reajuste de 7% apresentada pelo Governo. Por sua vez, os professores da rede estadual decidiram entrar em greve por tempo indeterminado.

Os servidores da rede estadual, os policiais civis e alguns representantes da PM e dos bombeiros se concentraram na Praça 7 e pararam o trânsito nas principais vias do Centro da capital. Apesar do tumulto e da confusão, não houve uso de força pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar, que acompanhou a manifestação.

Impasse

Cerca de 3 mil policiais civis, de mais de 40 cidades mineiras, se reuniram na Praça da Liberdade, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul de BH. Eles rejeitaram a proposta de reajuste de 7% apresentada pelo Governo e exigiram a equiparação salarial entre agentes penitenciários, inspetores e peritos, e entre delegados e defensores públicos. Também participaram da assembleia aproximadamente 700 agentes penitenciários. Após recusarem a proposta, os manifestantes desceram a Avenida João Pinheiro e seguiram rumo à Praça 7, no Centro da capital.

Acordo

Já os policiais militares e bombeiros, que se concentraram no Clube dos Oficiais, no Bairro Prado, Região Oeste de BH, chegaram a um consenso e, após votação tumultuada, decidiram aprovar a proposta de reajuste de 74% ao longo de quatro anos. Mais de 8 mil integrantes da categoria participaram da assembleia.

A proposta de reajuste prevê 10% para os militares e bombeiros em outubro deste ano; 12% em outubro de 2012; 10% aplicados em outubro de 2013; 15% em julho de 2014; 12% em dezembro de 2014; e 15% em abril de 2015.


O formulário para comentários é publico, portanto seu conteúdo é de responsabilidade daqueles que postam. Os comentários aqui postados serão, assim que publicados, avaliados pelo administrador e se constatado de conteúdo impróprio ou que ofenda a moralidade ou os bons costumes será excluído.
Att,
Polícia PELA ORDEM

Emoticon